"When I despair, I remember that all through history the way of truth and love has always won. There have been tyrants and murderers and for a time they seem invincible, but in the end, they always fall — think of it, always." Mohandas Gandhi
In a time of universal deceit - telling the truth is a revolutionary act. George Orwell

Monday, October 01, 2007

Ensino Superior em Portugal...A minha história de terror!!!!

Devido a diversos problemas ocorridos na minha vida tive de abandonar o meu curso de engenharia civil no ISEL no 1º semestre de 2004.

Este ano lá pensei novamente em acabar o curso, que começou como bacharelato, passou para licenciatura bi-etápica e já vai em licenciatura de Bolonha de 3 anos.

Pois bem, pensei eu, quando sairam as informações para se pedir o reingresso, creio que em Julho deste ano, agora é que é, vamos lá tentar acabar isto.

Que ingénuo que sou...

Após pedido de informação sobre se haveria vagas para o reingresso fui informado que no caso de reingresso todos são aceites, óptimo, pensei eu.
Fiz o pedido, e comecei logo a fazer contas à vida, para começar...60€ de pedido de reingresso.

Mas ainda mal tinham começado as contas; para poder fazer esse pedido de reingresso fui informado que tinha de pagar uma suposta propina em atraso, perguntei que propina devia, uma vez que para ter estado inscrito no 1º semestre de 2004 tinha de ter pago as propinas.

Resposta, deve a propina do 2º semestre de 2004, respondo eu, mas que propina? uma vez que não me inscrevi nesse semestre nem me poderia inscrever ou fazer qualquer exame após as datas de inscriçao desse semestre, porque devo eu de pagar uma propina de um semestre que não me inscrevi, não frequentei nem o podia fazer após ter falhado as datas todas de inscrição.

Resposta pronta, as propinas são anuais, ou seja os srs alunos têm de pagar um serviço mesmo que este não lhes seja prestado.

Continuando com as contas, ou seja somando os 60€ mais a suposta propina em dívida, chegamos à bonita conta de cerca de 500€, isto tudo sem ainda ter feito a inscrição deste ano de 2007, só para pedir o reingresso.

Sexta-feira, 28/Set/2007, desloco-me ao ISEL, na minha folga, uma vez que sou trabalhador estudante, para efectuar a matrícula.

Início do fim....

Para minha enorme frustração verifico que após três anos de ausência do ISEL, esta instituição mantém a sua habitual desorganização crónica, filas para tudo, até para pedir uma simples informação.
O Sr. primeiro-ministro bem que vende a sua propaganda barata de 3º país mais informatizado, mas a realidade é outra, o ISEL nem sequer tem um protocolo com a CGD para ser detentor de um NIB para que os alunos possam pagar as propinas via multibanco, é o caos total.

Apesar de tudo lembrei-me que em 2004 se podia pagar as propinas ao balcão da CGD no próprio ISEL, desloquei-me lá perguntei se podia pagar, a CGD afirmou que sim, paguei os 285€ de 1ª prestação.

Como já deveria estar à espera, o nosso país é alérgico à organização, assim que afirmei que tinha feito o pagamento na CGD à senhora da secretaria, esta desata aos berros que assim não podia ser que a CGD não tinha nada de ter aceite o pagamento, tendo de seguida ligado para o balcao da CGD a dar indicação que não queria mais nenhum pagamento efectuado.

Viva a celeridade e competência dos serviços públicos deste país.

Mas como achei que não havia duas sem três, e que a a procissão ainda ia no adro, como diria a minha avó, resolvi questionar se haveria ainda algo mais a fazer ou a pagar...

Claro que sim, neste país incentivos ao estudo, especialmente nas áreas mais deficitárias como as de engenharias/matemáticas e físicas não existem, nem se preocupam em criá-las, em tentar trazer mais pessoas para elas, em ajudar as pessoas como no meu caso a acabarem esses cursos, não senhora, o importante é complicar, arranjar mais um imposto para ver se corremos com esses alunos chatos do sistema.

Como eu previa, e com um desplante extraordinário, informam-me que teria de pagar para além da propina mais 150€ de "Plano de Prosseguimento nos estudos", perguntei o que era isso.

Resposta pronta, o sr. como não tem estado inscrito temos de ir ver que cadeiras já tem feitas e a sua adequação ao curso de Bolonha, respondo que eu me encontro exactamente na posição dos meus colegas que estavam no ano transacto a frequentar o curso de civil, uma vez que já me encontrava na licenciatura e que apenas teriam de me dar as equivalências que os meus colegas também irão ter com a transição para Bolonha, e que estes não irão pagar os 150€ como é referido no documento onde é pedido este emolumento "(a) Uma vez que a transição é obrigatória, isto é, o aluno não concluiu o curso devido à adequação, o Plano não é pago."

Ficando sem resposta para me dar, a sra da secretaria resolve indicar que também acha estranho este valor, pois só dias antes das matrículas é que resolveram colocar a informação de que seria devido um emolumento de 150€ na altura da inscrição para estes casos, reingresso, mudanças de curso, transferências, etc.

Aceito que para mudanças de curso e transferências, tenha de haver um emolumento, uma vez que a maior parte das vezes os cursos têm cadeiras diferentes e curricula diferentes de faculdade para faculdade, mas 150€??? É capaz de ser excessivo, muito mesmo, ainda para mais quando se quer desenvolver o país, ter cada vez mais pessoas com cursos superiores, especialmente da área científica.

Com toda esta situação, só me restou uma alternativa, pedir para falar com o presidente do concelho directivo do ISEL, fui recebido por um responsável desse concelho que me indicou que deveria fazer uma reclamação junto do ISEL e que esta seria entregue junto do IPL - Instituto Politécnico de Lisboa - e que estes agiriam em conformidade.

Assim fiz, hoje 1/Out/2007 será entregue no ISEL uma reclamação, tendo tido o cuidado de já ter pedido a anulação do pedido de reingresso, uma vez que caso não o fizesse num prazo de 10 dias, perderia o valor das propinas.

Não creio que me vão dar razão, apesar de eu considerar que a tenho, mas este governo só pensa em impostos, em como cobrar cada vez mais para esbanjar logo a seguir em coisas supérfluas como por exemplo milhões de euros em software da microsoft, quando poderia usar esse dinheiro para comprar hardware e fazer o mesmo que a Extremadura Espanhola fez usando o cérebro e o sistema operativo livre, GNU/Linux.


Aguardemos....


Contas finais....935€ só para poder fazer matricula.


Powered by ScribeFire.

1 comment:

Jokinhas said...

1º - O ISEL não é, nunca foi e está muito longe de vir a ser uma faculdade.
2º - As engenharias ministradas nos politécnicos, como as do ISEL, têm muito pouco de científico.
3º - Queres estudar? Vai marrar a sério, tira notas decentes e candidata-te a uma boa universidade.